domingo, julho 03, 2005

25 anos na presidência e mais quatro no horizonte

Mário de Almeida
Homenagem ao autarca contou com 800 pessoas de 120 associações Recandidatura será anunciada no final da semana

Céu Salazar, in JN 3 de Julho de 2005

Cerca de 800 pessoas de 120 associações de Vila do Conde juntaram-se, ante-ontem à noite, no salão de banquetes do Rancho do Monte. Motivo celebrar o quarto de século que Mário de Almeida já leva como presidente da Câmara. O autarca deixou a porta aberta a uma recandidatura nas próximas eleições, mas não abriu completamente o jogo. O momento é de "profunda reflexão", disse.
No seu discurso Mário de Almeida começou por recordar o que o fez enveredar pela carreira política "o amor à terra, sentir que era grande a injustiça social e ver Vila do Conde num plano secundário em relação a outros municípios". Reconheceu que manifestações como a de anteontem o motivam para continuar e diz-se de consciência tranquila: "aceito que num momento ou outro possa não ter tido um rasgo de lucidez, mas ninguém poderá dizer que não trabalhei no duro ou que alguma vez não estive atento e interessado em resolver qualquer problema".
Sobre uma eventual recandidatura, o autarca, que também lidera a concelhia socialista, referiu que o momento é de "profunda reflexão". Mas prometeu uma posição mais clara para o final desta semana. Fonte próxima do autarca garantiu, no entanto, ao JN, que "é mais que certa a sua recandidatura".
Entre os convidados de honra estava Lino Maia, presidente das instituições de solidariedade social do distrito do Porto, conterrâneo da freguesia de Guilhabreu. Defendeu que Vila do Conde é "um concelho paradigma, muito equilibrado, com boa qualidade de vida. É um orgulho saber que está entre os melhores da União Europeia".
Em representação da comissão promotora da jornada de reconhecimento, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Vila do Conde, Joaquim Brites, elogiou o autarca por ser "um parceiro permanente, que não falha aos compromissos assumidos". E lançou um repto à recandidatura de Mário de Almeida "Os cargos não são eternos, mas há pessoas difíceis de substituir. O nosso presidente é um exemplo inegável disso mesmo".